Quem salva é só Jesus
Capa

A MISSÃO DA IGREJA NO MUNDO

Pensando no tema estabelecido pelo Conselho para direcionar as atividades da nossa igreja em 2016 – “Firmando as bases para avançar mais”, queremos iniciar as nossas devocionais desse novo ano, refletindo sobre a Missão da Igreja no Mundo, com base nas palavras de Jesus, registradas no evangelho de João: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20.21).
“Missão” vem de uma palavra latina que significa “enviar”. Jesus encarregou os seus discípulos, daqueles dias e os de hoje, de uma missão: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20.21; cf. 17.18). Este texto deixa claro que o Senhor nos deu uma missão. Essa missão foi válida para os discípulos daquela época e para os discípulos de hoje. A Igreja de Cristo, incluindo cada igreja local e cada crente, é enviada ao mundo para cumprir uma missão específica.
A missão dada à igreja tem duas partes. Primeiro e fundamentalmente, a missão diz respeito à tarefa de testemunhar perante todo o mundo, fazer discípulos e plantar igrejas, como podemos ver em textos como Mt 24.14; 28.19-20; Mc 13.10; Lc 24.47-49. A Igreja tem a missão de proclamar Jesus Cristo por toda parte, como Deus encarnado, Senhor e Salvador; bem como de anunciar o convite de Deus aos pecadores, para que entrem na vida, voltando-se para Cristo, por meio do arrependimento e da fé, como vemos em textos como Mt 22.1-10; At 17.30. O ministério de Paulo como plantador de igrejas e evangelista por todo o mundo serve de modelo para os discípulos de hoje levarem adiante essa tarefa primária, tal como vemos em textos como Rm 1.14; 15.17-29; I Co 9.19-23; Cl 1.28-29.
Em segundo lugar a missão diz respeito às obras de misericórdia para com o próximo. Todos os crentes são chamados e comissionados para realizar obras de misericórdia e compaixão. Confiando no mandamento de Deus para amar ao próximo, como a si mesmos, os crentes devem responder com generosidade e compaixão a todas as formas de necessidades humanas, como recomendou o Senhor Jesus em textos como Mt 25.34-40; Lc 10.25-37; Rm 12.20,21. Jesus é o nosso maior exemplo e o nosso incentivador. Ele curou doentes, alimentou famintos e ensinou as verdades do reino, como lemos em Mt 15.32; 20.34; Mc 1.41; 10.1. Assim, todos os que são novas criaturas em Cristo devem colocar em pratica o mesmo amor, a mesma misericórdia e a mesma compaixão. Ao agirem assim, darão credibilidade ao evangelho que pregam a respeito de um Salvador cujo amor transforma pecadores em pessoas que amam a Deus e ao próximo. Vejam os textos de Mt 5.16; cf. I Pe 2.11,12.
Embora Jesus tenha previsto a missão aos gentios, como vemos em Mt 24.14; Jo 10.16; 12.32, seu ministério terreno foi dirigido às “ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mt 15.24). Paulo, o apóstolo aos gentios, por onde passava, anunciava o evangelho primeiro aos judeus, como vemos em At 13.42-48; 14.1; 17.1-4,10; 18.4-7,19. Porque o direito dos judeus em ouvir primeiro o evangelho era determinação divina, como lemos em At 3.26; 13.46; Rm 1.16; é importante que os crentes continuem testemunhando aos judeus, pois como Paulo registrou, foi de Israel, segundo a carne, que Cristo veio para ser o Salvador do mundo (Rm 9,5); mas também precisamos pregar o evangelho e testemunhar de Jesus aos gentios daqui e de todas as partes do mundo e de todas as nações, como ordenou o Senhor Jesus Cristo.

Rev. Paulo Martins
Devocional publicada em 03/01/2016
Fonte: Boletim Dominical da IPAJ.

Voltar